PNUD apóia serviços básicos em Erbil

PNUD - 11/07/2018

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Província de Erbil lançaram oito projetos de infra-estrutura para melhorar serviços que são fundamentais para a vida diária, como eletricidade, água, estradas e esgoto, para mais de 284.000 pessoas em toda a província de Erbil.

Com o apoio contínuo do Governo da Alemanha, o Programa de Resiliência e Resposta à Crise do Iraque (ICRRP) e o Centro de Coordenação da Crise Conjunta de Erbil (E-JCC) construirão ou modernizarão seis projetos críticos de infra-estrutura, construindo estradas, melhorando a iluminação, reparando rede de água e modernização da rede elétrica. Esta iniciativa apoia diretamente os moradores dos bairros Sarbasty, Farmanbaran, Baharka, Naly, Shamamik e Krechyan da província de Erbil.
Com financiamento contínuo do Governo do Japão, o ICRRP e o E-JCC estão apoiando dois projetos que beneficiam mais de 210.000 membros da comunidade anfitriã e pessoas deslocadas. O fornecimento e a instalação de 40 transformadores, já concluídos, melhoraram o acesso a eletricidade fiável para as pessoas que vivem nos bairros designados da cidade de Erbil e nos distritos de Soran, Koyia, Shaqlawa e Salah Al Din.
Além disso, o fornecimento e a instalação de uma subestação móvel para a Estação de Tratamento de Água de Ifraz, que é a principal fonte de água na província de Erbil, deverá aumentar o fornecimento de água nos sub-distritos de Darashakran e Kawergosk, bem como no campo de refugiados de Kawergosk. , Campo de refugiados de Darashakran e nas aldeias vizinhas.
Em uma cerimônia que marca o lançamento dos projetos, o governador de Erbil, o Sr. Nawzad Hadi, disse:
“Apreciamos muito o apoio dos governos da Alemanha e do Japão, e a colaboração com o PNUD, para melhorar a prestação de serviços básicos e aumentar as oportunidades de subsistência para as populações deslocadas em Erbil. Hoje estamos assinando os acordos com o PNUD para lançar projetos de infraestrutura com um orçamento total de até US $ 3 milhões. Essas contribuições são essenciais para lidar com a atual crise e a recessão em curso e atenderão às necessidades atuais da comunidade ”.
O cônsul e chefe do escritório consular do Japão em Erbil, Katsumi Moriyasu, disse:
“O Japão é muito ativo na extensão da assistência humanitária e de estabilização aos deslocados internos, refugiados e comunidades de acolhimento no Iraque e na região do Curdistão. Suas contribuições nessas áreas até agora alcançaram US $ 460 milhões desde 2012. Além disso, o Japão está determinado a permanecer como um parceiro próximo do Iraque e da região do Curdistão com relação à sua reconstrução e desenvolvimento sócio-econômico ”.

O Chefe da Cooperação para o Desenvolvimento na Embaixada da República Federal da Alemanha, Johannes Schneider, fez a seguinte observação:
“Graças ao PNUD e ao ICRRP, os enormes desafios na resposta à Crise do Iraque estão sendo abordados de maneira oportuna e eficaz. O programa garante que qualquer pessoa necessitada, independente de sua origem étnica ou religiosa, possa se beneficiar do apoio. A Alemanha está feliz por ter contribuído para este programa com um total de 59,5 milhões de euros até agora. ”

A Representante Especial Adjunta da Secretária Geral, Marta Ruedas, diz que:
“Apoiar os meios de subsistência do Iraque e a prestação de serviços básicos reforça o caminho do Iraque para a recuperação do recente conflito. O PNUD está empenhado em trabalhar em estreita colaboração com o Governadorato de Erbil nestes projetos de infraestrutura crítica que apoiam as populações deslocadas e as comunidades anfitriãs ”.

O Programa de Resposta e Resiliência à Crise do Iraque (ICRRP) do PNUD promove a recuperação e resiliência de comunidades vulneráveis ​​a choques multidimensionais associados a retornos em larga escala e deslocamento prolongado de iraquianos e refugiados sírios.

Isto é conseguido através de uma programação de médio prazo que integra a capacitação em gestão de crises, a reabilitação de infraestruturas básicas de serviços, a recuperação dos meios de subsistência e a coesão social.

Compartilhar:

Notícias